ANUNCIE SUA EMPRESA AQUI

OBRIGADO POR VOSSA VISITA***

domingo, 7 de junho de 2015

Moradores da região do Entorno e Brasilienses estão receosos de buscar ajuda médica nas unidades de saúde Desde o surto de bactérias multirresistentes no Distrito Federal, pacientes temem ter que ir a hospitais

editado

Por ser uma região com dificuldades moradores da região metropolitana também estão receosos em se deslocar até a Capital Federal na busca de auxilio Medico. É rotina muitos moradores da região Metropolitana se deslocarem para Brasilia em caso de emergência médica isso por que na capital federal há mais recursos oferecidos e mais opções para quem tem necessidade de ser atendido em caso de emergência.
Camila Costa , Nathália Cardim / , Luiz Calcagno
Desde o aumento dos casos de infecção por bactérias multirresistentes no Distrito Federal, o clima nos hospitais da cidade tem sido de tensão. Pacientes internados, familiares e acompanhantes estão com medo de contrair uma bactéria que agrave o quadro clínico de quem já está debilitado. E quem não está doente, teme ter que ir a algum hospital. O surto de superbactéria — termo mais conhecido para a resistência bacteriana a determinados antibióticos — mudou, inclusive, a rotina nessas unidades de saúde. Algumas registram redução no fluxo de pessoas. Apesar da mobilização de órgãos de controle, como Anvisa, Ministério Público do DF e Territórios (MPDFT) e Ordem dos Advogados do DF (OAB-DF), e das ações de contenção da Secretaria de Saúde, o número de ocorrências — entre infecções e colonizações — ultrapassa 300, de acordo com informações preliminares passadas do Governo do Distrito Federal.

A 1ª Promotoria de Justiça de Defesa da Saúde (Prosus) do MPDFT abriu investigação para apurar o que favoreceu o aumento dos casos de superbactéria. Segundo o titular da 1ª Prosus, promotor de Justiça Jairo Bisol, o GDF ainda não se posicionou oficialmente sobre o assunto. “Não tínhamos informação sobre a gravidade da situação. Essa quantidade de pessoas infectadas nos surpreende. Estamos espantados e vamos continuar investigando, por exemplo, se houve ou não ocultação de informação”, afirmou. Ontem, a OAB-DF enviou um pedido de agilidade nas investigações. “Os casos tomaram proporção muito grande. Está gerando situação de medo na população e temos que buscar uma solução”, avaliou o presidente da seccional da Ordem, Ibaneis Rocha.

O pedagogo Sidney Gomes da Silva, 39 anos, é um dos brasilienses que está preocupado. Em menos de uma semana, os dois filhos, um menino de 8 e uma menina de 10, ficaram doentes e foram ao Hospital Regional da Ceilândia (HRC) em busca de atendimento. “Se eu tivesse condições, não levaria as crianças para a rede pública. Mas não podia deixar que elas continuassem sem nenhum tratamento”, completou. A ideia de Sidney, no entanto, não teria muito efeito, já que, segundo a Secretaria de Saúde, os casos de também infecções atingem a rede privada de saúde do DF. Segundo o secretário de Saúde, João Batista de Sousa, até ontem, mais de 200 pessoas colonizadas, ou seja, com a superbactéria no organismo, e pelo menos 107 haviam desenvolveido infecção. Os números são de casos na rede pública e privada de saúde. O chefe da pasta não soube precisar quantas ocorrência foram registradas nas redes pública e particular.

Plano de ação

Esse e outros detalhes devem ser conhecidos amanhã, quando vai ocorrer o lançamento de um plano distrital de enfrentamento à resistência bacteriana. O documento deve destacar questões de higiene hospitalar, trato com o paciente contaminado e uso racional de antibióticos. Segundo a secretaria, vão ser comprados produtos de limpeza mais eficazes para a realidade das unidades de saúde da capital federal. A medida é uma resposta à cobrança da Agência Nacional de Vigilância Sanitária. A autarquia federal exigiu explicações do GDF sobre o enfrentamento da endemia de superbactérias. O plano segue diretrizes aplicadas em ações antissurto aplicadas no Rio Grande do Sul, em 2013, e no Rio de Janeiro, no ano passado. A pasta ressalta que o combate aos micro-organismos multirresistentes é difícil, pois não há medicamentos potenciais contra eles. “Há 20 anos, não se tem um novo antibiótico no mercado”, justificou o subsecretário de Atenção à Saude, José Tadeu Palmieri.
fonte...Correio Braziliense

                                                                                             http://sgtaciolly.blogspot.com/
Postar um comentário

AS MAIS DOS ULTIMOS 30 DIAS

FOTOS ON LINE

ACIOLLYVERSATIL@HOTMAIL.COM