ANUNCIE SUA EMPRESA AQUI

OBRIGADO POR VOSSA VISITA***

domingo, 31 de janeiro de 2016

VAI UMA DICA DE COMO FUNCIONA O 190

Muitas pessoas não sabem como realmente funciona o 190 pelo Brasil afora.
Tomo a liberdade em fazer um breve relato de como funciona essa estrutura em muitas regiões do Brasil isso pode diferenciar um pouco de acordo aos investimentos em material humano e avanço tecnológico de cada região.
Hoje por exemplo o Estado de Goiás e Entorno do DF já conta com uma ferramenta importante que veio para somar nesse processo que só cresce em investimento e tecnologia, que é o Videomonitoramento por Câmeras .
Mas vamos ao que mais interessa como funciona o 190?

O 190 é um número de telefone de emergência da polícia que funciona no Brasil todo. As companhias telefônicas direcionam as ligações após verificar onde o telefone que fez a chamada está registrado. Um número do Entorno do DF que disca para o 190, por exemplo, é direcionado para tocar na central da PM da Central na base de comunicação da cidade.

Na região do Entorno do DF / muitas Vezes podem acontecer de ligar e cair na Capital Federal e as vezes podem ocorrer de ligar de Celular do DF e cair nas Cidades Metropolitanas que circundam o Entorno do DF, haja vista a proximidade entre as cidades e também os prefixos entre as cidades na maioria serem ligações locais e assim vice e versa .

2. Na central do 190, quem ligou pedindo ajuda fala com um atendente, policial treinado para lidar com assuntos diversos. O atendente faz uma filtragem para ver se é caso de polícia mesmo. Ele anota num computador dados como endereço, descrições etc. e repassa as informações para outro setor enquanto segue na linha com a pessoa

3. As informações vão para os despachadores, que também ficam na central. Existe uma cabine para cada batalhão da PM na área de cobertura. Se o problema é na área vigiada pelo batalhão X, a ligação vai para o despachador X. Numa tela, ele monitora a posição dos carros do batalhão. Após filtrar as ocorrências por ordem de prioridade, ele aciona por rádio a viatura mais próxima.

4. A área de cobertura das viaturas depende do número de pessoas de cada região. Em áreas muito povoadas, como o centro de grandes cidades. No caminho até a ocorrência, os policiais seguem falando pelo rádio com o despachador, que vai repassando novos detalhes coletados pelo atendente .

Muitas ligações são atendidas porém uma parte mínima delas é de fato caso de polícia:

- Pedidos de serviços prestados por outros órgãos (bombeiros, ambulância etc.)

-Informações diversas

- Ligações em que a pessoa desiste de registrar a ocorrência

- Trotes

- Ocorrências reais para a polícia


População é a maior vítima de trotes e ligações indevidas

Não tenho informações da demanda porém vale ressaltar que a força de vontade e empenho de cada Policial é publica e notória.. Com o Avanço tecnológico e estudos realizados estão sendo criados em todo o Brasil Centros Integrados que reuni e centraliza o atendimento ao cidadão. É nesse ritmo que os Centros Integrados Operacionais trabalhão 24 horas auxiliando as pessoas que necessitam de socorro. Mas, atender tantas chamadas requer atenção e preparo para tentar driblar os famosos trotes e as ligações indevidas que atrapalham o serviço de emergência.

As ligações indevidas e trotes representam hoje 85% dos chamados segundo e levantamento feito por especialistas em Segurança Publica esses dados foram publicados pelo Ciodes de São Paulo. Normalmente praticado por crianças, a brincadeira de mau gosto deve aumentar ainda mais após as férias escolares. Vale lembrar que trote é crime previsto no Código Penal Brasileiro. Quem comete essa prática pode ser preso e autuado. A pena prevista é de detenção de um a seis meses, ou multa.

Identificar um trote é tarefa difícil para os atendentes do 190. Isso porque eles seguem uma diretriz de que todas as informações passadas pelos usuários do serviço são verdadeiras. As chamadas indevidas também causam transtornos ao atendimento. “Enquanto os atendentes perdem tempo com pessoas que ligam para o serviço de emergência para solicitar telefones de empresas e órgãos públicos, desabafar e até falar desacatar Policias,quem realmente precisa fica sem o atendimento”.

ACIOLLY ENTORNO SUL 190

sgtaciolly.blogspot.com


QUANDO O SOM AUTO INCOMODA***

É cada vez mais freqüente o cidadão ter problemas, com a perturbação do sossego e muitas vezes nos perguntamos o que podemos fazer, ficamos perdidos sem a informação correta. Este artigo, hoje me volto a este polêmico tema, vamos sanar as eventuais dúvidas e exercer o Direito com sabedoria, saiba mais:

Carros, serestas, bares, igrejas, carros de propaganda, vizinhos fazendo algazarra, são os maiores vilões que intranqüilizam o sossego alheio. Quando chamamos os policiais eles estão despreparados para aplicar a Lei do Silêncio que prevê 70 decibéis, pois o policial não tem o medidor. Pois bem, isso pouco importa caro cidadão, pois o Decreto-Lei 3688/41, Lei das contravenções Penais - LCP é claríssimo em seu artigo 42 quanto a prática de infração, vamos observar então o que ele diz:

Gosto é gosto. Há os que apreciam um Sertanejão, outros gostam mesmo é de um clássico e por ai vai tem gosto para tudo. O volume sim isso é discutivel decibéis são discutíveis tudo com o respaldo da lei, vence a discussão quem está sendo incomodado, por exemplo, pelo som estridente do alto falante daquele automóvel que, em todas as madrugadas de sábado ou nas manhãs de domingos, despeja musicália pelo quarteirão, enquanto o ‘pé de borracha’ é lavado e lustrado cuidadosamente pelo dono.

Festas frequentes que varam a madrugada; música em som que se espalha para o imóvel vizinho, construção e reformas que não respeitam os horários de silêncio e outras situações causadoras de incômodos sonoros são proibidas por leis – federal e municipais. Importante: independente dos critérios determinantes do horário de silêncio, poluição sonora em qualquer hora do dia é passível das penalidades previstas em leis.

A recomendação para quem está vitimado por esse tipo de incomodo é, em primeiro lugar, procurar resolver a situação com uma conversa amigável, deixando claro para o interlocutor que o próximo passo será a denúncia. A questão é julgada nos tribunais de pequenas causas e, na grande maioria das vezes, a solução é rápida.

Procure de forma amigável e amistosa entrar em consenso ambas as partes uma boa conversa, um bom acordo é bem melhor que uma grande demanda.

Caso não haja um dialogo entre as partes o caminho é os tribunais.


Leis federais

Quem incomoda vizinhos com qualquer tipo de som alto está sujeito ao que dispõe o Artigo 42 da Lei das Contravenções Penais, federal. O enunciado deste artigo elenca as seguintes transgressões: perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios com: gritaria ou algazarra; exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais; abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos; provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem a guarda.

Para quem provoca tais incômodos, é de um ano de prisão a pena prevista na Lei das Contravenções. Teor semelhante consta no Código Ambiental Brasileiro. Pelas leis federais, para a denúncia ser acatada é necessário que o incômodo atinja mais do que uma única pessoa ou família. Pela grande maioria das leis municipais, a denúncia é acatada também quando encaminhada por um único indivíduo.

Onde reclamar: iniciar pela Delegacia de Polícia ,com boletim de ocorrência; se não resolver, procurar o Ministério Público.




Lei do Silêncio no Distrito Federal - No Distrito Federal, estendendo para Brasília, a Lei do Silêncio tem o número 4.092/08. Em sua defesa, estão indicados os riscos à saúde provocados pela poluição sonora superior a 80 decibéis, de acordo com a norma 10.151 da Associação Brasileira de Normas Técnicas (ABNT).

Os riscos indicados pela ABNT: possibilidade de provocar úlcera, irritação, excitação maníaco-depressiva, desequilíbrios psicológicos, estresse degenerativo, e aumentar o risco de infarto, derrame cerebral, infecções, osteoporose, hipertensão arterial e perdas auditivas, entre outras enfermidades.

No Distrito Federal, a penalidade para quem não cessar a perturbação é multa que varia de R$ 200 a R$ 20 mil. Onde iniciar a reclamação: para Brasília e demais cidades do Distrito Federal: no Instituto Brasília Ambiental (Ibram), pelo telefone 156; ou preenchendo formulário disponível no site do Ibram.

É cada vez mais freqüente o cidadão ter problemas, com a perturbação do sossego e muitas vezes nos perguntamos o que podemos fazer, ficamos perdidos sem a informação correta. Este artigo, hoje me volto a este polêmico tema, vamos sanar as eventuais dúvidas e exercer o Direito com sabedoria, saiba mais:

Carros, serestas, bares, igrejas, carros de propaganda, vizinhos fazendo algazarra, são os maiores vilões que intranqüilizam o sossego alheio. Quando chamamos os policiais eles estão despreparados para aplicar a Lei do Silêncio que prevê 70 decibéis, pois o policial não tem o medidor. Pois bem, isso pouco importa caro cidadão, pois o Decreto-Lei 3688/41, Lei das contravenções Penais - LCP é claríssimo em seu artigo 42 quanto a prática de infração, vamos observar então o que ele diz:

Perturbação do trabalho ou do sossego alheios
Art. 42 – Perturbar alguém, o trabalho ou o sossego alheios:
I – com gritaria ou algazarra;
II – exercendo profissão incômoda ou ruidosa, em desacordo com as prescrições legais;
III – abusando de instrumentos sonoros ou sinais acústicos;
IV – provocando ou não procurando impedir barulho produzido por animal de que tem guarda:
Pena – prisão simples, de 15 (quinze) dias a 3 (três) meses, ou multa.


Porém para que possamos aplicar a Lei precisamos que o infrator tenha vontade consciente de perturbar o sossego alheio, que nada mais é que agir com DOLO.

Temos o seguinte exemplo:

Um cidadão que vai ao bar beber e aumenta o volume do som do seu veículo para beber. Ele não teve a intenção de tirar o sossego alheio, porém assume o risco, neste caso cometeu o DOLO EVENTUAL, a Lei pode ser aplicada pelo policial sem qualquer dúvida.

O cidadão que tem consciência dos atos que pratica e mantém o volume do som alto, sabe que pode causar incomodo, sendo assim o policial tem o DEVER de determinar ao dono do veículo que cesse o ruído, informando-lhe que está provocando incômodo. Se o condutor do veículo continuar com o ruído, fica caracterizada a resistência, a desobediência e aplica-se o Art. 330 do Código Penal, já que a ordem partiu da autoridade policial.

Porem caros colegas, o policial não deve apenas ordenar ao infrator que apenas cesse o ruído ou o ato que esta caracterizando a perturbação descrita no art. 42, deve a autoridade policial encaminhar o infrator à delegacia de policia, pois ele cometeu o crime já, mesmo que de pequena magnitude, DEVE RESPONDER, e o cidadão que chamou a guarnição neste caso, deve exigir que seja cumprida a determinação legal, o policial tem o dever jurídico de fazer cumprir a Lei.

Em caso de estabelecimento comercial como igreja, bares, boates e etc, pouco importa se a prefeitura e outros órgãos devam o aval e concederam o alvará, é dever do dono do estabelecimento fazer com que a acústica não chegue a perturbar, trata-se de ÂMBITO PENAL!

Vejamos uma decisão favorável ao descrito acima:

34005115 – CONTRAVENÇÃO PENAL – PERTURBAÇÃO DO TRABALHO OU DO SOSSEGO ALHEIOS – POLUIÇÃO SONORA – PROVA – ALVARÁ – O abuso de instrumentos sonoros, capaz de perturbar o trabalho ou o sossego alheios, tipifica a contravenção do art. 42, III, do Decreto-lei nº 3688/41, sendo irrelevante, para tanto, a ausência de prova técnica para aferição da quantidade de decibéis, bem como a concessão de alvará de funcionamento, que se sujeita a cassação ante o exercício irregular da atividade licenciada ou se o interesse público assim exigir. (TAMG – Ap 0195398-4 – 1ª C.Crim. – Rel. Juiz Gomes Lima – J. 27.09.1995)

Caro policial e cidadão, o SOSSEGO PÚBLICO não é um bem irrelevante e a paz é DIREITO do cidadão. A Policia é OBRIGADA a coibir essa prática desrespeitosa e promover a paz pública.

Ainda saliento aos senhores leitores, que se houver resistência do policial a aplicação da Lei, lembre-o que Poluição Sonora é crime disposto no artigo 54 da Lei 9605/1998 – LEI DE CRIMES AMBIENTAIS – LCA:

Art. 54. Causar poluição de qualquer natureza em níveis tais que resultem ou possam resultar em danos à saúde humana, ou que provoquem a mortandade de animais ou a destruição significativa da flora:
Pena – reclusão, de um a quatro anos, e multa.
Se o crime é culposo:
Pena – detenção, de seis meses a um ano, e multa.


Porém agora não se trata de revogação da contravenção, já que é norma posterior que trata da mesma matéria. Pois o objeto jurídico ofendido é o sossego ou trabalho de alguém. A poluição sonora constitui-se em ruído capaz de produzir incômodo ao bem-estar, ao sossego ou malefícios à saúde humana. Estudos mais acurados revelam que um indivíduo submetido diariamente à poluição sonora pode apresentar sérios problemas de saúde como distúrbios neurológicos, cardíacos e até mesmo impotência sexual. Daí a evolução dessas discussões em assuntos ambientais.

Caro cidadão exerça seus DIREITOS, faça o necessário para que seja atendido, pois só assim vamos ter um país melhor. Nossas Leis são ótimas, porém o pouco conhecimento da população e até das autoridades, faz com que a Lei seja esquecida e crimes fiquem em pune, então passe a diante esta informação e vamos argüir nossos direitos.

ACIOLLY ENTORNO SUL 190


sgtaciolly.blogspot.com

sábado, 30 de janeiro de 2016

ENTORNOSUL/ 5ºCRPM PMGO recupera carga com 1.620 botijões de gás avaliada em R$ 130.000,00, em Novo Gama.



Quinto Crpm
PMGO recupera carga com 1.620 botijões de gás avaliada em R$ 130.000,00, em Novo Gama.

Na tarde de hoje, dia 29 de janeiro, a equipe do Grupo de Patrulhamento Tático do 19º BPM composta pelo Cabo Da Silva, Cabo Augusto, Soldado Batista e Soldado Araujo juntamente com as viaturas de área, recebeu informações a respeito de uma carreta de botijões de gás, que havia sido tomada de roubo, em Anápolis, e estaria escondida em um Setor de Chácaras, no município de Novo Gama.

Os Policiais iniciaram o patrulhamento na região, quando na altura da quadra 10, localizaram o lugar onde estava o veículo. Pela fresta do portão, foi possível observar diversas pessoas realizando o descarregamento dos botijões, que ao perceberem a presença da viatura, tentaram empreender fuga.
Nesse momento, os Militares entraram no local, alcançando alguns homens, enquanto outros pularam o muro, a fim de se esconderem na casa vizinha, onde 04 estavam embaixo da pia da cozinha, 02 em um matagal e outros dentro da piscina, por baixo de uma lona.
Minutos antes da chegada da equipe, o Serviço de Inteligência do Batalhão tinha informado que um veículo HB20, de cor vermelha, prestava apoio ao condutor do caminhão roubado, sendo abordado próximo dali pela equipe composta pelo Cabo William Costa e Soldado Alciney. Na abordagem, constatou-se que o carro era produto de roubo. Além disso, o condutor possuía dois Mandados de prisão em aberto e encontrava-se foragido.
Em relação ao caminhão, ele alegou ter o recebido e contratou algumas pessoas para descarregá-lo, pelo valor de R$ 150,00 cada um. Um dos indivíduos confessou ter o roubado em Anápolis e levado para o local. Com os homens também foram encontrados 02 bloqueadores de sinal de GPS.
Diante do flagrante, os autores e tudo que foi encontrado foram encaminhados ao CIOPS, onde a carga avaliada em R$ 130.000,00, contendo 1.620 botijões de gás, juntamente com a carreta foram devolvidos ao proprietário legal.

Fonte: Soldado Luciana P/5 5º CRPM







General brasileiro diz que clima é de tensão no Haiti: 'Tudo pode acontecer' Eleição presidencial foi suspensa após denúncias e protestos tomam o país. Instabilidade política impacta decisão da ONU de sair do país em 2016.

General brasileiro diz que clima é de tensão no Haiti: 'Tudo pode acontecer'

Eleição presidencial foi suspensa após denúncias e protestos tomam o país.
Instabilidade política impacta decisão da ONU de sair do país em 2016.

Tahiane StocheroDo G1, em São Paulo
Protestos violentos no Haiti provocam o adiamento do segundo turno das eleições presidenciais e preocupam a ONU (Foto: Martinez Casares/Reuters)Após o adiamento do segundo turno das eleições presidenciais, protestos violentos irrompem no Haiti e preocupam a ONU (Foto: Martinez Casares/Reuters)
General Ajax brinca com criança haitiana (Foto: Minustah)General Ajax brinca com criança haitiana
(Foto: Minustah)
O general brasileiro Ajax Porto Pinheiro, que comanda as tropas da ONU na missão de paz no Haiti, diz que a situação é incerta no país.
Na última semana, o segundo turno das eleições presidenciais foi suspenso após denúncias de fraude, e uma onda de protestos violentos a favor e contra o governo tomou as ruas de várias cidades.
O Conselho Eleitoral suspendeu as eleições alegando razões de segurança. Com a indefinição, um governo provisório deve assumir em 7 de fevereiro, quando termina o mandato do atual presidente, Michel Martellyx.
Na última semana, no entanto, o presidente da Comissão Eleitoral e outros quatro de seus nove membros renunciaram, o que torna incerto como será a continuidade do processo eleitoral. Há o risco de haver um vácuo de poder a partir do fim do mandato de Martellyx.
Em entrevista ao G1, o oficial diz que espera que os políticos cheguem logo a um acordo, "para que o país possa dar o próximo passo".

Pinheiro afirma não ver relação direta entre as causas da instabilidade política e a previsão da ONU de encerrar em 2016 a Missão para Estabilização do Haiti (Minustah). Apesar disso, afirma ele, a situação de segurança do país influenciará a decisão do Conselho de Segurança – que será tomada em outubro – de manter ou não a operação internacional.
A ONU planejava retirar, a partir de 15 de outubro, os últimos 2.370 militares que possui na Minustah. A missão foi criada em 2004, após uma onda de violência e manifestações levar à deposição do presidente Jean Bertrand Aristide. Desde então, o Brasil possui o maior número de soldados e comanda militarmente a missão.

"Se me perguntassem há um mês se eu acreditava que a Minustah sairia em outubro (de 2016) e as eleições transcorreriam normais, eu diria que sim, que acreditava que era outubro, porque tudo estava caminhando bem. Com este impasse, a situação é bem incerta e nem me arrisco a prever um futuro desenlace da missão agora”, diz Pinheiro. “Tudo pode acontecer.”
“A situação hoje é de distensão, com muito atrito político. Não há consenso (entre governistas e opositores). Como tem um clima de atrito, leva a uma tensão na segurança. Os protestos são rotina: bloqueiam as ruas, queimam pneus, atiram pedras”, afirma o general Ajax Pinheiro.

Se me perguntassem há um mês se eu acreditava que a Minustah sairia em outubro (de 2016) e as eleições transcorreriam normais, eu diria que sim, que acreditava que era outubro, porque tudo estava caminhando bem"
General Ajax Porto Pinheiro,
Comandante militar da ONU no Haiti
O Conselho Eleitoral  alegou falta de segurança para suspender as eleições em 22 de janeiro, após o candidato da oposição, Jude Célestin, exigir a investigação de suspeitas de fraudes no primeiro turno, realizado em outubro de 2015, e recusar-se a participar da continuidade do pleito.
“Este é o momento para todos voltarem à mesa de negociação e acreditamos que haverá em breve acordo. E quanto mais rápido isso se definir, melhor para o futuro do país. Uma situação política instável não é boa para ninguém. Vamos nos preparar para a próxima fase, que não sabemos qual vai ser e nem quando vai ser. Acreditamos que eles chegarão a um acordo”, diz o general Ajax Pinheiro.
General Ajax Porto Pinheiro comanda as tropas internacionais da ONU no Haiti e tem a missão de apoiar a segurança no país (Foto: Rug Wiza/Minustah)General Ajax Porto Pinheiro comanda as tropas internacionais da ONU no Haiti e tem a missão de apoiar a segurança no país (Foto: Rug Wiza/Minustah)

Adiamento das eleições
Para o oficial, havia condições das eleições terem sido realizadas conforme o planejado - o segundo turno presidencial estava marcado para 24 de janeiro.

“Sim, tinha situação (de segurança). Até o dia 22, era nossa avaliação integrada com a polícia local, e estávamos prontos para realizar (o pleito). Não posso dizer que no futuro não ia se deteriorar, não tinha como saber, mas até então [a situação] estava até menos agressiva do que na véspera dos outros dois turnos eleitorais que tivemos em 2015 (eleições legislativas e primeiro turno presidencial). Da nossa parte, estávamos prontos”, defende.

"O adiamento ocorreu mais porque não havia consenso político, não foi a questão da permanência da ONU. Não tem este link, eu não vejo isso hoje. A questão é política. E, da demanda deles, saem consequências, até para a segurança. Se eles fizerem um acordo, fizerem as eleições, voltamos à normalidade e saímos em outubro", afirma.
22/01 - Manifestantes marcham durante um protesto contra as eleições presidenciais em Porto Príncipe, no Haiti.  A autoridade eleitoral do país adiou o segundo turno das eleições que aconteceria neste domingo (24) após protestos e acusações de fraude (Foto: Hector Retamal/AFP)Manifestantes marcham em protesto sob suspeita
de fraude eleitoral no Haiti
(Foto: Hector Retamal/AFP)
Fim da missão de paz
Uma comitiva de inspetores da ONU irá a Porto Príncipe, a capital haitiana, em março, fazer um relatório estratégico com elementos políticos e de segurança para embasar a decisão que o Conselho de Segurança tomará em outubro sobre o término ou continuidade da Minustah.

Segundo o general, o efetivo atual da força é o mínimo necessário para manter a ordem no país. Se houver redução deste contingente da ONU em outubro, a operação internacional terá que mudar seu caráter, pois não terá mais condições de controlar áreas críticas. A ideia estudada pelas Nações Unidas era que, com a saída das tropas, a missão passasse a ser de apoio institucional ao governo.
Polícia haitiana caminha em meio ao protesto em Porto Príncipe neste domingo (24) (Foto: Hector Retamal/AFP)Polícia haitiana caminha em meio ao protesto
em Porto Príncipe dia 24 de janeiro
(Foto: Hector Retamal/AFP)
O general Ajax Pinheiro pretendia ser o último a sair. Apesar de dizer que não há mais definição, ele diz esperar que o programado se mantenha.

“Eu acredito [no encerramento da missão neste ano]. Para nós seria um fator de compromisso de sucesso. A comunidade internacional diria que cumprimos bem nossa missão de garantir um ambiente seguro e estável e podemos partir", diz o general.

“Se nada mudar e tivermos condições de segurança, podemos sim mudar o perfil da missão, mas depende do Conselho de Segurança. A tendência da ONU é reduzir custos de efetivo em missões que deram certo e investir em outras mais críticas e pesadas. Mas, como será o futuro da missão, nem a ONU decidiu”, acrescenta.
FONTE G1

LADRÃO FOLGADO ALÉM ROUBAR E AGREDIR PEDE PARA A VITIMA EMBRULHAR O PRODUTO DO ROUBO***

Ladrão agride comerciante e pede para embrulhar item roubado; vídeo

Criminoso também levou dinheiro e fugiu com comparsa em motocicleta.
Dono já pensa em fechar mercearia devido à insegurança, em Rio Verde.

Do G1 GO
Câmeras de segurança registraram o assalto, na tarde de quinta-feira (28), a um mercado em Rio Verde, no sudoeste goiano. O ladrão agride o comerciante e ainda pede para o adolescente que está no caixa para colocar um chinelos roubados em uma sacola (veja vídeo acima).
As imagens mostram quando o criminoso, de capacete, chega ao mercado e agride o comerciante Edailton Moreira, que é empurrado para o chão. Armado, ele ameaça o proprietário do mercado e o adolescente que está no caixa, que é sobrinho do empresário.

Após o roubo, o assaltante foge na garupa de um motociclista que o esperava em frente ao mercado. A dupla não foi identificada.
O criminoso pega o dinheiro que estava no caixa e o que havia na carteira do comerciante. Ele sai do mercado e, segundos depois, retorna para roubar um par de chinelos cor de rosa. O ladrão ainda pede para o adolescente colocar o produto dentro de uma sacola.
O dono do comércio conta que já foi assaltado quatro vezes durante os dois anos que trabalha no local. Em uma das ocorrências, os criminosos também ameaçaram a mulher dele, Jacira Ferreira.
“Não é fácil ver o revólver apontado para sua cabeça. Você fica muito nervosa”, disse a mulher.
Por causa da violência, Edailton passou a atender aos clientes por meio de uma grade. No entanto, ele teve que tirar o equipamento porque as vendas caíram muito. Vítima de mais um assalto, o comerciante pensa até em fechar o comércio.
“Eu estava até pensando em fazer investimento, mas já estou até pensando em desistir, nem vou mais comprar o equipamento que eu queria, que era uma ilha para por frango e atender melhor os clientes. Já estou pensando em vender [o mercado] porque está muito difícil trabalhar aqui. A insegurança está demais”, reclama o comerciante.
A Polícia Militar informou que no momento do roubo havia quatro equipes no patrulhamento da região. No entanto, a corporação reconhece que nem sempre é possível atender de prontidão a um chamado porque há outro mais grave acontecendo simultaneamente.
Ladrão volta para roubar chinelo e ainda pede para embrulhar em Goiânia, Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Ladrão volta para roubar chinelo e ainda pede para embrulhar (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)

Homem suspeito de matar namorado da filha em igreja se entrega à polícia

Homem suspeito de matar namorado da filha em igreja se entrega à polícia

Segundo delegado, ele confessou o crime, mas nega que ameaçava menor.
Adolescente de 17 anos foi morto a facadas em confraternização, em Anápolis.

Do G1 GO
O suspeito de matar o adolescente Lucas Marques, de 17 anos, que foi morto a facadas em uma igreja, se entregou na quinta-feira (28) à Polícia Civil, em Anápolis, a 55 km de Goiânia. Segundo os investigadores, Valdeir Narciso Pereira, de 42 anos,  matou o namorado da filha por não aceitar o relacionamento.
O crime aconteceu no fim da manhã do último domingo (24). Conforme o delegado Renato Rodrigues de Oliveira, que registrou o crime, o homicídio aconteceu durante um almoço de confraternização na igreja. Depois que o autor e o adolescente tiveram uma discussão, o suspeito saiu, voltou com uma faca, cometeu o crime e fugiu em um carro.
Jovem de 17 anos foi morto a facadas dentro de igreja em Anápolis Goiás (Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)Lucas foi morto a facadas dentro de igreja
(Foto: Reprodução/ TV Anhanguera)
Um mandado de prisão foi expedido contra Valdeir na segunda-feira (25). Ele se entregou na delegacia acompanhado de um advogado.
De acordo com o delegado responsável pelo caso, Vander Coelho, ele confessou o crime em depoimento. No entanto, nega ter ameaçado o adolescente.
"Ele admite que realmente foi o autor das facadas, mas nega ter ameaçado o autor anteriormente. Ele informa que não admitia o namoro de fato, mas temos algumas informações de testemunhas que já foram juntadas ao inquérito policial que provam o contrário, que na verdade várias ameaças haviam sido feitas e no dia que o crime aconteceu ele teria novamente ameaçado antes de sair da igreja", disse o delegado
Após ser interrogado, Valdeir foi encaminhado ao presídio de Anápolis. De acordo com o delegado, o inquérito deve ser concluído em até dez dias.
Para os pais de Lucas, a prisão dele é um alívio. "Se ele ficar em regime fechado pra mim a justiça foi feita porque ele é um homem que não deve viver em sociedade", disse a mãe de Lucas, Divina Aparecida da Silva.
Adolescente é morto a facadas dentro de igreja em Anápolis, Goiás (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)Crime aconteceu durante confraternização em igreja de Anápolis (Foto: Reprodução/TV Anhanguera)
fonte G1

AS MAIS DOS ULTIMOS 30 DIAS

FOTOS ON LINE

ACIOLLYVERSATIL@HOTMAIL.COM